Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

De capacete e batom

De capacete e batom

09
Nov15

A primeira vez

Dora Sofia

Tinha 18 anos quando sonhei em ter mota. Quis tirar a carta de mota. O meu pai disse que não, que não entendia para quê, que não me serviria para nada, que não pagava. E não pagou. E eu fui para as vindimas, levantar-me de madrugada, sentir o barro que se pega às botas quando chove, e sentir o mosto que se cola à pele quando o sol aquece, para ganhar dinheiro para tirar a carta. Penso que foi a primeira vez, ou talvez a única, em que "desobedeci" ao meu pai, em que me "independentei" do meu pai...

Durante muitos anos, ele acreditou que teve razão... que não me serviria para nada. 

Durante muitos anos, eu acreditei que haveria de passear na minha mota. Deixar-me ir com ela, sem destino, ou com destino disfarçado de sem destino, como nos parecem sempre os destinos de andar de mota. 

Hoje demos a nossa primeira voltinha.

Tenho 41 anos, a provar que os sonhos não têm prazo de validade... 

IMG_4972.JPG

 

Boas curvas!

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D