Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

De capacete e batom

De capacete e batom

02
Set16

De Faro a Góis: entre o mundo e a minha aldeia

Dora Sofia

Fomos a Faro! Suficientemente loucos para não esperarmos pelo fim da tarde, enfrentámos os 43 graus que marcavam na planície alentejana. A ideia era ir só ali ao restaurante da esquina almoçar e esperar que as horas ensombrassem o dia, mas, como sempre, o mal é começarmos a andar, ouvirmo-las e percebermos que podemos, se quisermos, continuar... Queremos sempre! Com direito a paragem para refrescar debaixo da água das estações de serviço, só parámos em Faro. Quentes e felizes.

20160717_104229.jpg

 

A concentração de Faro é um mundo. Um mundo de paixão pelas motas, um mundo de gente diferente, um mundo de gente estrangeira, estranha e maravilhosa. Um mundo onde o barulho ininterrupto, constante e brutal das motas se apodera de ti.Infiltra-se na pele, juntamente com a poeira do chão e dá-te uma sensação de liberdade, uma sensação de todo o tempo. Faro é Álvaro de Campos, "Sentir tudo de todas as maneiras/Viver tudo de todos os lados,". Quero voltar a este poema no próximo no ano, e no próximo, e no próximo... 

IMG_20160716_131347.jpgDepois, fomos a Góis. Voltámos a Góis. Com, quase!, todo o tempo do mundo.  Deliciámo-nos com as curvas que nos levam até lá (sim, surpreende-me, ainda, o prazer de cada curva!!) e enfrentámos as sombras do arvoredo que anunciavam a chuva do dia seguinte. Tal como não me incomoda o sol escaldante de Faro, também não me incomoda a chuva de Góis. 

20160819_134722.jpg

 

A concentração de Góis é a aldeia onde eu nasci. A mesma paixão pelas motas, mas gente que é, quase sempre, como a gente, onde há famílias que estão por ali de férias (alguns vieram de carro...), ou grupos de rapazes e raparigas mais novos que só vêm pela noite, para a música, para a cerveja, para os namoros, ou grupos de "homens" que aproveitam para estar um pouco longe das mulheres e beber cervejas, sem que a todo o momento lhes digam "estás a beber demais" e que, por isso, bebem demais, e passam o dia seguinte a dormir. Em Góis não se ouvem as motas de noite, mas acordas com os " rateres" das motorizadas barulhentas dos teenagers.

Em Góis, há um espírito de intimidade, de "portuguesismo" que é genuíno. Góis é Caeiro, "E por isso porque pertence a menos gente,/É mais livre e maior o rio da minha aldeia." Também quero voltar a este poema, porque é belo e sinto que faço parte dele.

20160819_110049.jpg

 

(continua...)

 

Boas curvas!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D