Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

De capacete e batom

De capacete e batom

23
Mai18

As saudades que eu tinha...

Dora Sofia

A Branquinha II regressou. E, com ela, as fugas aos dias sem tempo. 

Não importa.  Não. Não importa tanto assim, que ande 200 ou 20. Prefiro 200, mas estes 20, aqui nos meus caminhos, na minha serra encantada, que me enche de luz e sol, são a promessa de muitos 200 que se aproximam.  

20180521_165118.jpg

20180521_165041.jpg

Vou saboreando curvas e contracurvas, reatando esta relação com a Branquinha. Entendemo-nos bem.  Eu gosto dela e, às vezes, muitas vezes, parece-me que é a mota perfeita para mim.  Pelo menos hoje, ainda, é. 

Mas sou GS.  Caminho e estrada. Terra e alcatrão. Vontade e razão. 

Não sou motociclista de tarde de verão, de café de domingo. Sou motociclista porque gosto. Sempre. Se chove e se faz sol, se tenho de ir às compras ou à praia, se subo a serra ou desço à escola. 

Por isso, a insatisfação. Não, não é insatisfação; é um quero mais, é um daqui a uns tempos... 😉

 

 

Boas curvas!

 

19
Mai18

Estamos de volta!

Dora Sofia

 Voltámos a casa.  E, pelo caminho, a mesma vontade de correr mundo.  

A minha D. Branquinha II precisou de umas intervenções... nada de preocupante, é verdade, mas durou o tempo de uma eternidade, e houve raiva, e lágrimas, e ameaças de divórcio... sim, sim, porque o homem da casa caiu na insensatez de a levar à oficina e a deixar lá.  Imagine-se! 3 semanas de separação forçada que só tiveram fim, estou certa disso, porque o ameacei de que se não tivesse rapidamente a minha mota seria obrigada a andar na dele. Foi quando ele percebeu que talvez, talvez estivesse na hora de apressar o mecânico. 

Assim, à medida que vamos deixando para trás os esboços da cidade do Porto, largo ao vento as preocupações das últimas semanas. O trabalho acumulado naquela dor irritante debaixo do pescoço desliza ao ritmo dos quilómetros. 

Paramos para um peixe grelhado na Costa Nova.  As casas riscadas de cores brilhantes convidam a um restaurante típico, onde há Toni Carreira na rádio e balanças antigas ao balcão. Sabe bem o sol ainda tímido no rosto. 

20180519_124512.jpg

 

20180519_124117.jpg

 

É sempre nestes momentos, em que pego de novo na minhas mota, depois de alguns dias (demais!) de ausência, que me questiono: como consegui viver tanto tempo sem andar de mota? Sem ser dona da minha vontade? Sem espaço para esta liberdade rebelde?

20180519_143837.jpg

 

Por isso, volto aqui.  Volto à escrita dos caminhos.  Só porque sim. Só porque me pedem. Só porque me sabe bem. 

E porque aqui, nas minhas palavras, sinto de novo outro vento nas ideias. 

 

Boas curvas!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D