Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

De capacete e batom

De capacete e batom

04
Abr16

Por entre os pingos da chuva

Dora Sofia

Há um ano atrás tinha-me prometido o Dia Nacional do Motociclista, com a MINHA mota. Deixei-me encantar pelo ambiente festivo, de partilha, de fé e de um certa comoção que paira no ar quando se dá a benção das motas e dos capacetes. 

Depois desse dia, tudo aconteceu. Prometi-me uma mota. Namorei-a e, apesar de não ser a tal (ainda!), estamos num relacionamento sériozinho, a conhecermo-nos devagarinho. Bem, segundo o homem da casa, devagarinho demais!!

A chuva ameaçou estragar-nos o fim-de -semana, e, imaginem!, ponderámos ir de carro, mas o prometido era devido e eu queria mesmo era andar de mota! Isso e a convicção - erradíssima!!! - de que a previsão do tempo teria uma margem para erro suficientemente grande para escaparmos às nuvens... enfim, a chuva persegue-nos! 

Lá fomos, metade vontade, metade paixão, até terras de Penafiel.

IMG_20160402_153652.jpgIMG_20160402_161152.jpg

A parte boa foi mesmo andar de mota, namorar, namorar, namorar (pois que a chuva convidava ao quarto de hotel) e andar de mota outra vez.

Mesmo com a chuva, as celebrações fizeram-se e ainda por lá havia uns quantos milhares tão loucos como nós. 

IMG_20160403_125240.jpg

IMG_20160403_144247.jpg

 Enquanto nos abrigávamos da chuva, íamos celebrando com um espumante, porque nem só de cerveja vive a malta das motas 

IMG_20160403_123231.jpg

 

A parte má foi que o rapaz diz que eu ando mesmo devagar (ainda não apanhei o jeito para aquelas curvas em descidas a pique nas montanhas do Norte; é que o fundinho é mesmo, mesmo, lá muito em baixo!); aliás, ando tão devagar que ele diz que conseguiu preparar toda a semana de trabalho, ler uma revista e consultar o e-mail, enquanto esperava por mim... quatro vezes!

Pois, já percebi! O lés-a-lés vai mesmo ter de ser à pendura este ano. Por um lado, estou longe dos 10000 km exigidos pela lei de "os entendidos é que sabem" e, por outro, arrisco-me a que, ultrapassada enfim a serra algarvia, o rapaz tivesse ficado velho de tanto esperar por mim... Se fico triste? Claro!!

Mas nós somos uma equipa e uma equipa é mesmo assim. 

IMG_20160402_153438.jpg

 

Ah! Ainda assim, acho que passei com distinção no curso de mota à chuva! E só esborratei um bocadinho de nada a maquilhagem...

IMG_20160403_152410.jpgIMG_20160403_134024.jpg

Boas curvas!!

 

 

 

21
Mar16

Com a cabeça cheia de vento

Dora Sofia

Está a chover. A primavera chegou repleta de água e, entre os miúdos "fechados" em casa, os relatórios e avaliações para terminar, a antevisão das mil e uma coisas que tenho para fazer na próxima semana, sinto-me a deprimir... Não posso andar de mota! Não posso andar de mota! Não posso andar de mota...

Dou por mim, no carro, a inclinar-me nas curvas,  a fazer contas aos minutos que me sobram entre atividades, a ir à garagem ligar-lhe o motor só porque sim... São sinais de dependência que não consigo controlar.

Uma amiga diz-me que quando ando de mota fico com a cabeça cheia de vento. Talvez. Talvez, às vezes, muitas vezes, seja bom ter a cabeça cheia de vento. Deixar que as palavras que ouvimos, as palavras que dissemos e as palavras que calámos se misturem com o vento.

 Andar de mota apazigua-me a alma. Escrever sobre andar de mota apazigua-me as palavras que me atormentam a alma. 

E, se ao fim de um dia de trabalho árduo, em que és obrigada a pôr a tua máscara de "olhem-para-mim-tão-querida-e-simpática-a-fazer-uma-coisa-de-que-gosto" (quando eu gosto é de ensinar e não de fazer aquelas outras trezentas mil tretas que os professores têm de fazer), quando pensas que o dia não pode ficar pior, te cruzas com alguém com quem discutes porque ainda (e sempre!) te bates pelo teu direito de questionar as coisas que te mandam fazer e às quais não encontras sentido, e pegas na mota para mais nada que não seja ficar com a cabeça cheia de vento, se, então, descobres uma realidade que esteve sempre ali e que tu nunca viste, de novo as palavras brincam contigo e enchem-se de vento "Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara. (livro dos conselhos)", in Ensaio sobre a cegueira, José Saramago.

IMG_20160317_162710.jpgIMG_20160317_162902.jpg

IMG_20160317_164017.jpgIMG_20160317_163154.jpg

IMG_20160317_163508.jpg

 

 

 

 

Boas curvas!

 

06
Jan16

Por falar em motas #2

Dora Sofia

Percebes que algo muito estranho se passa contigo quando por cada "estou farto de chuva" que ouves (e são muitos, num país de eternos insatisfeitos, onde o maior prazer se resume a falar do tempo), logo agora que tomaste a decisão de ser  simpática e de aprender a falar do tempo, descobres que só te ocorre responder "e com esta chuva não posso andar de mota", o que é igualmente estranho e antissocial como não saber falar do tempo. E, então, calas-te e continuas antissocial, sem saber falar do tempo...

chuva mota.jpgFoto: Narinder Nanu/AFP

 

... mas a desejar que pare de chover para andares de mota, ainda que saibas, por experiência, que não chove dentro do capacete!

"I'm riding in the rain, just riding in the rain..."

 

Boas curvas!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D